domingo, 3 de junho de 2007

Laje dos Infernos - Porto da Laje


No dia 3 de Junho estava marcada mais uma caminhada as “Minas do Borrageiro” e ao “Porto da Laje”. Já se esperava que o percurso seria puxadinho, mas nunca se esperava que fosse demasiado puxado e lento, éramos só nove Calcantes (Supercalcantes). Deixamos os carros na Laje dos Infernos e começamos a subir rio acima de saltinho em saltinho para os penedos e fomos sempre pela fresquinha com a água gelada ali do nosso lado, os sardões também fizeram parte da nossa caminhada, de vez em quando encontrávamos um em cima dos penedo a olhar para nós e eram bem coloridos. Um penedo grande outro pequeno tentávamos passar o rio, mas o Joel não soube medir bem a distancia e foi experimentar a água para ver se estava mesmo gelada como parecia, escorregou e molhou-se da cinta para baixo (foi dar banho a minhoca) e o nosso mapa também aproveitou o lanço e deu uma banhanhoca. Subíamos e não parávamos de subir, as camisolas davam para torcer de tão suadas que estavam, mas valeu a pena pois lá em cima tinha uma linda cascata que caía numa lagoa com o fundo verde, um espectáculo!!!. A caminho das minas já em terreno mais plano, um grilo que andava contente a passear entre a erva foi parar as mãos do Pedro que o raptou do seu habitat e o guardou num saco provisório, mas ele não ficou descontente e continuou sempre a cantar pela caminhada fora. Na chegada as minas e nada como uma boa paragem para o descanso, e para encher a barriga, umas risadas, um cafezinho e é claro não podia faltar o cheirinho do Zé para animar o pessoal. Seguindo caminho acima para continuar que ainda havia muito para andar e o Pedro que nos estava sempre a enganar é já ali.
Os nossos joelhinhos e as nossas perninhas já estavam a reclamar, ora uma foto no meio das florzinhas perto da casa de banho das vaquinhas barrosas mas não cheirava mal. Continuando o percurso cada vez mais difícil de aguentar, não havia trilho nem caminho parecíamos coelhos no meio das ervas e dos arbustos, havia falhas de ervas e os pés escorregavam, e as descidas acentuadas, o que nos valiam eram as ervas maiores que serviam para nos amarrar, o Porto da Laje nunca mais aparecia, até que encontramos o trilho e começou a ser mais fácil, no meio de tanto desespero o grilo a cantar e a água fresquinha para nos refrescar, era o que nos valia. Lá estava Porto da Laje um espectáculo os penedos pareciam escorregões da aqualandia não demos uma banhoca por não havia tempo a perder, uma foto em grupo e logo de seguida a passagem para o outro lado do rio, o Paulo dava cada esticão ao braço para nos ajudar a passar, era o que nos valia se não era banho pela certa. Passamos a barragem do Porto da Laje e encontramos o tão esperado estradão que nos guiava aos carros, pois é!!!! Mas ele era tão longo que tão cedo não acabava. Paramos um bocado para reunir forças para subir até as lagoas do Marinho e depois descer até aos carros, já eram 20:00 horas quando acabamos de comer, não havia tempo a perder, nem com piadas nem risadas pois o caminho pela frente ainda era muito e estávamos todos rotos e desanimados, até a nossa Raquel já não dizia nada. O Sol começava a desaparecer na montanha e as cobras ainda no meio do caminho e nós mesmo cansados ainda dava para correr a frente do Pedro que pegou numa cobra. Chegamos as lagoas do marinho já estava a ficar noite, começamos a descer e ligar as lanternas que a curva onde estavam os carros nunca mais chegava, já eram 22:00 e nós na montanha. Quando avistamos os carros foi uma alegria e não perdemos tempo em regressar a casa, pois já eram 20:40 e ainda faltava o caminho até casa. Esta caminhada foi muito cansativa, (e muito bonita) mas provamos novamente a resistência que o nosso corpo tem.
Susana Costa

4 comentários:

Alexandre Nuno disse...

Ah que inveja de não ter ido.Tive de ficar por casa. Princípio de Julho vou levar grupo para a Nevosa.Bem vindos. Abraços do "Grande Chefe Sem Cabelo na Cabeça"...UGH

Maria Alice disse...

Isto sim é uma caminhada a sério.
Pelas fotos deve ser do melhor?
Parabens pelo blog.

Ana disse...

atenção: ler a página 15 do JN ou http://jn.sapo.pt/2007/06/15/policia_e_tribunais/onda_assaltos_geres_preocupa_gnr.html

"Onda de assaltos no Gerês preocupa GNR

A GNR de Terras de Bouro está a procurar os autores de 15 assaltos dentro de viaturas de turistas ocorridos na serra do Gerês.

"Os ladrões aproveitam-se do facto das pessoas irem tomar banho ao rio, ou darem um passeio a pé, para abrirem os carros e irem às malas onde as carteiras estão escondidas", revelou fonte da GNR que admite que aquela corporação, apesar da falta de meios humanos, tem procurado vigiar os locais mais frequentados por visitantes, designadamente nas zonas de S. João de Campo e da estrada que liga o Gerês à fronteira da Portela do Homem.

Um dos visitantes cujo carro foi assaltado, um cidadão residente em Rio Tinto, Porto, disse à agência Lusa, que, no fim-de-semana passado, foram assaltadas seis viaturas estacionadas na entrada da portagem que dá entrada na Mata de Albergaria. "Foi um pandemónio. As carteiras desapareceram e não havia rede de telemóvel para se conseguir anular os cartões de crédito", afirmou."

Anónimo disse...

um abraço a todos os calcantes do grupo(( pegada e bota))....LOBO