terça-feira, 19 de maio de 2009

Pitões das Junias - S. João da Fraga


“ A CAMINHADA ONDE NADA FOI POR ACASO”

Mais um domingo e mais uma caminhada que chegou…
E que caminhada essa…
Cerca das 7h30 começavam a chegar os primeiros aventureiros a casa do Pedro, mas como sempre, lá tivemos nós de esperar por alguns… O Ricardo, o Joel e o Zé…
Depois de cair tanta chuva lá nos fizemos ao caminho que nos esperava ainda mais chuvoso… Curvas e mais curvas para lá chegarmos, com chuva e muito nevoeiro, o que sendo um pouco perigoso, tornava a paisagem em algo de singular…
Como não poderia deixa de ser, tenho de fazer referência às inúmeras vacas, que gostaram muito do carro do Ricardo que quase lhe entravam pelo vidro dentro… Será que foi do carro ou foi mesmo do Ricardo que elas gostaram? Fica a dúvida…
Chegados à Aldeia de Pitões das Júnias logo avistamos a Capela de São João da Fraga e pouco a pouco lá rumamos ao nosso destino... A caminhada começou muito bem, principalmente para o Zé, que fez logo as honras da casa… Caiu… Momento digno de se recordar… E lá prosseguimos sem grandes percalços, quer dizer, sem quedas, mas ora com descidas, ora com subidas…
As passagens pelos riachos, pelas pontes, por entre aqueles arbustos, enfim, não há muitas palavras para descrever tamanho cenário… Finalmente chegamos ao fim, ao fim mas é das descidas, porque agora uma escarpada subida nos esperava... A subida que nos levaria à Capelinha… Subimos, subimos e paramos para ganhar forças, pois como o Zé dizia “Estou atordoado”… Voltamos a subir e eis que chegaram os degraus que nos pressagiavam a chegada ao pináculo daquela imensa montanha… Aí foram tiradas algumas, diria muitas fotografias, e foi também o local da nossa recuperação alimentar…
Bem podemos dizer que foi um almoço muito animado, principalmente com as picardias do nosso casal Miguel e Manuela, aquilo era banana para cima, banana para baixo, meu deus, demais mesmo, e como disse o Ricardo, aquilo lá em casa deve ser animação total…
Chegado o momento do café e do licor, e como não podia faltar, lá veio o Miguel com o seu SURTIDO com U, e todo partido, disse a Manuela…
Acabou o almoço, e aproveitamos aquele limite de horizonte para tirarmos a foto de grupo, para depois continuarmos com a nossa caminhada…
Bem, e agora é que foram elas, com mais uma invenção do Pedro e do Joel, lá fomos nós pelo sentido oposto daquele que nos levaria ao nosso trilho inicial… E se antes de almoçar, tivemos uma subida, agora tínhamos uma clivosa descida… E não nos restou grande alternativa se não descer… E descemos, descemos e descemos, sempre com o objectivo de chegarmos à Cascata, e realmente valeu a pena ver toda aquela paisagem… Continuamos com o nosso corta mato, sim, porque agora já não havia trilho para ninguém, agora era mesmo a abrir caminho, até que encontramos um escadaria, aquilo parecia que nunca mais acabava…
A nossa próxima paragem era no Mosteiro, onde para lá chegarmos fomos lado a lado com um riacho que nos deliciou, e que diga a Clara, que sentiu bem o calor da água, e depois de algumas quedas inesperadas, lá se saiu o Pedro “Cuidado que aqui escorrega” e não é que escorrega mesmo… Ele caiu… É verdade, o Pedro caiu… Chegados ao Mosteiro aproveitamos para matar novamente o bichinho da fome e tirar mais algumas fotografias… Continuamos com o percurso, e agora voltávamos à aldeia, onde ainda tivemos tempo para vaguear lá pelas ruas e ver mais algumas coisas, igreja, escola, o ECOMUSEU que se encontrava fechado (pode ser que na próxima esteja aberto), e até os animais que passeavam nas ruas silenciosas, quer dizer, silenciosas até que a Clara decidiu novamente soltar a sua vocação de cadelinha do grupo e aí quebrar todo aquele silencio, pois aquilo parecia tornar-se num concerto canino..
As horas passaram e chegou ao fim mais uma caminhada, mas ainda houve tempo para mais uma foto do grande, grupo que ficará na memória de todos, com certeza…
Por volta das 18h45 rumamos a Famalicão, onde chegamos eram 20h30.
Despedimo-nos e esperamos pela próxima…
Obrigada pelos bons momentos…
Carina e Jorge

P.S. ( ZÉ RUY, VOLTA QUE ESTÁS PERDOADO )

2 comentários:

Diamant disse...

U RICARDO FOI O PRIMEIRO A CHEGAR...AS 7HORAS ESTAVA EM CASA DO ZE...AS 7:30 PASSEI JA COM U SENHOR DO LICOR POR CASA DO SENHOR PEDRO...NAO ESTAVA LA NINGEM...REPITO...NAO ESTAVA LA NINGEM...U ZE LIGOU PO PEDRO JA NO CAMINHO PARA CASA DO JOEL...MAIS MEIA HORA DE SECA...U JOEL CHEGA E ENTAO SIM DEPOIS FOMOS PO PONTO DE PARTIDA...ABRAÇO PARA TODOS :):):):):)

Zé Ruy disse...

Então seus desalmados de uma figa, foram a correr levando com a chuve nessas cabeças ocas á espera de croissants, xuxaram foi no dedo.

ò Moina e chefe "BRUTUS" antão fizeram mais uma das vossas, não foi?
O sr. Pepe mais uma vez, levou o seu licor de contrabando, espera até a ASAE te pôr as mãos!!! Vais ver, vais...

O Miguel e a Manuela é que continuam acesos, não é meninos?

Juventude! Agora estou perdoado, não é? Vocês já sabem que isso sem moi, não é a mesma coisa que com esses armadilhas do Moina e chefe"B."
Biba Eu!!! uh, uh, uh... Biba a Juventude! HURRAHHHH!!!!
Não se esqueçam de dizerem sempre bem de mim e o piorio desses dois judas montanheses, cherto? cherto...

Um abraço para os homens, beijinhos para as meninas e estranhulamentos para os armadilhas.

saudações croissantarianas sem mel pincelado, mas com uma grande xuxadela nesses dedos meios sujos.

Zé Ruy